O amor vem de nós, e demora.


Amor vem de nós e demora

A gente faz tanta confusão quando o assunto é amor... e nem percebemos que a capacidade de amar pouco tem a ver com o outro. Amar é uma decisão. É você quem decide se quer ou não.

A gente faz tanta confusão quando o assunto é amor... tem gente que acha que ciúme é declaração de amor; tem gente que confunde amor com poder; tem aqueles que acreditam que amam profundamente, mas que na verdade são totalmente dependentes; outros associam amor à cobrança, vigilância e controle de todo tipo, e tem até quem jure que de tanto amar pode até matar. Quanta confusão...


Amor não tem absolutamente nada a ver com nenhuma dessas coisas. Amor tem tudo a ver com generosidade, com gratidão, com alteridade*; tem a ver com a aceitação genuína do outro do jeito que ele é, com respeito pela diferença que existe entre esse “eu” e esse “você”; tem a ver com autoconhecimento, com tolerância a frustração, com clareza de quais são os nossos limites e de quais são os limites dos outros; tem tudo a ver com autonomia, com desenvolvimento das potencialidades individuais e relacionais; é um sentimento e também uma habilidade. O amor é um sentimento que mora dentro daquele que o sente, que o cativa, que o constrói, que o nutre; e como habilidade, pode e deve ser aprimorada e lapidada a todo instante. Como canta Rita Lee: “Amor vem de nós, e demora”.


Portanto, a capacidade de amar, pouco tem a ver com o outro, percebe? Tenho aprendido ao longo da vida que amar é uma decisão. É você quem decide se quer ou não amar. O outro pode não querer a mesma coisa que você quer; pode não querer conviver contigo; pode, inclusive, rejeitar o seu amor; e, ainda assim, você pode decidir continuar amando essa pessoa. “Ah, mas como assim?” – você deve estar pensando. Oras, se o amor é um sentimento que brota, germina, cresce e floresce dentro daquele que é capaz de nutri-lo, de quem é a vantagem e o benefício de senti-lo? Quem é que ganha com isso? Pois é, acabamos de descobrir que amor também tem tudo a ver com inteligência. Inteligência emocional.


Sabe aquela vovó querida que já partiu e a quem você amava profundamente? Ou aquele namorado da juventude que você nunca mais viu, mas que deixou ótimas lembranças? Ou ainda aquele amigo querido que se mudou para o exterior e, pelas contingências da vida, vocês se distanciaram ou perderam contato? Quando você evoca essas lembranças, não vem uma sensação boa que enche o seu coração com um calorzinho gostoso? Um sentimento de gratidão pelo que foi vivido? Uma saudade boa? Então, gente, isso é amor! Isso é decidir guardar do lado de dentro as coisas boas do que foi vivido. Isso é alimentar o amor que existe dentro da gente. Percebe que é uma decisão que depende só de você? No texto “Diferença entre sentir e expressar amor” falo melhor sobre as possíveis formas de expressão desse amor, isso quando é possível expressá-lo, pois algumas vezes não é – por circunstâncias da vida ou por respeito ao limite e ao desejo do outro. O que não impede que a gente continue nutrindo e sentindo o amor dentro da gente.


Um dos ganhos extraordinários é que ao fazer esse exercício você também começará a notar que quanto mais amor você conseguir guardar dentro, mais desse sentimento você também terá para oferecer aos outros. É um círculo virtuoso que se retroalimenta. E, ao constatar que o amor vem mais de nós do que do outro, talvez assim a gente comece a se relacionar de forma mais madura e autônoma, sem as dependências, inseguranças, desconfianças e temores que vemos hoje. E por que isso acontece? Porque como investimos o nosso amor no outro, quando esse outro decide ir embora, temos a sensação de que ficamos vazios, de que a outra pessoa partiu levando consigo todo o amor que nós tínhamos e sentimos uma dor existencial imensa. Isso só acontece porque a gente ainda não aprendeu a amar, porque temos a ilusão de que o amor vem só do outro. Porque ainda não nos demos conta de que amar é um exercício e uma decisão. Quando se trata de amor ainda estamos no jardim da infância.


Por falar em infância, é lá que aprendemos as nossas primeiras lições sobre o amor. É na infância o único momento de nossas vidas aonde o amor vem, e deve vir, do outro. Precisamos desse outro como exemplo, como referência, como mestre na arte de amar. É dele que vamos receber a primeira muda da árvore do amor. É com ele que deveríamos aprender a plantar, regar, podar e nutrir essa mudinha de modo que ela permanecesse viva e fértil ao longo de toda a nossa existência, pois é dessa árvore que vamos nos alimentar e alimentar os outros. Mas como ter esse mestre se ele ainda não nasceu? Como os pais vão educar os seus filhos se eles também ainda não aprenderam a amar? É urgente a necessidade de interrompermos a perpetuação da ideia que temos hoje do amor.


Sei que falar é fácil. Mas se não começarmos a nos vigiar e a praticar, nunca deixaremos de ser tão miseráveis de amor. Por mais difícil que tenha sido a sua infância, sempre será possível aprender a amar. Pode ser que seus mestres primordiais não tenham sido tão habilidosos, mas a gente sempre pode aprender com outros inúmeros mestres que cruzam o nosso caminho ao longo da vida: parentes, amigos, filhos, amores...


Lembre-se sempre: Amar é uma decisão e um exercício!

Bora praticar?


* Capacidade de reconhecer, aceitar e respeitar o outro como uma pessoa separada e não como mera extensão de si mesmo, mas como alguém que tem desejos, necessidades, crenças, valores, gostos diferentes dos nossos.


POSTS RECENTES

POSTS RELACIONADOS

Posts em breve
Fique ligado...

REDES SOCIAIS

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Google+ Icon
  • Grey Pinterest Icon